domingo, 22 de maio de 2011

Greve dos Acúleos

E se de repente os poetas entrassem em greve
E de repente acabasse a poesia
E se de repente os poetas explicassem
Que rosas não tem espinhos

Se de repente eles descessem
Das torres de ametista
Se o rosa deixasse de ser artifício
E tornar-se ofício

Se o cálice secasse
Se a embriaguez acabasse
E a ciência cortasse meu encanto

E meu pranto desse lugar à verdade
Que meu coração bate, por enquanto
Enquanto é novo e apetitoso

Enquanto me satisfaz
Enquanto ainda não sou eterno
Enquanto te faço inteira

Mas em cada pisada, risada
De meu horror pela mentira
Sentimento da ciência

Hormônios em homeostase
Em meus fluidos, meu amor
Desencanto nesse encanto

Carlos Alberto Mota Castro